sábado, 30 de junho de 2012


Do tempo de não se ter nenhum controle.
A minha dor cai a conta gotas.
Cada gota rasga, corrói. Mas é somente uma. Eu suporto.
Os sonhos berram e me tiram de mim. Acordo. Alívio.
Feliz dos meus pesadelos não serem mais reais.
Livre.
Mundo que esgana. Gente que emaranha em si.
Respiro. Choro. Lágrimas correm e arrebentam, caem lentamente.
Então, suporto.

5 comentários:

S* disse...

Há dores mesmo difíceis de suportar...

José María Souza Costa disse...

A vida, expõe o seu DNA. Quer seja pela dor, quer seja pela alegria.
Amei, lê o seu texto.
felicidades, pra voce.

Ira Buscacio disse...

Carolzinha, o homem suporta até ele próprio. Carga pesada!
Bj grande

A Escafandrista disse...

E a vida é tão feita desses momentos qto é feita de alegrias... os ciclos.

Giovanna Cóppola disse...

Lágrimas são remédios, sempre. Depois delas, algo bom sempre nos aguarda. Beijo!